Você está aqui: Capa > Ensinamentos > Influência do Bhagavad Gita na Filosofia Seicho no Ie
Influência do Bhagavad Gita na Filosofia Seicho no Ie

Influência do Bhagavad Gita na Filosofia Seicho no Ie

Artigo escrito por Maria Cristina da Silva

(graduada em História pela Universidade Federal de Santa Catarina)

12046713_1218831471465690_5111288912982583454_n

Fundada no Japão, a Seicho-no-ie (3 milhões de seguidores no Brasil) é definida como: filosofia de vida. Seu fundador, Masaharu Taniguchi estudou diversas filosofias e religiões, até ter uma “revelação” durante uma meditação.
Dentre as práticas da filosofia – vista também como uma religião muito benéfica – está a leitura da Sutra Sagrada, que li durante anos e pela qual tenho respeito. Nela se afirma que o homem é filho de Deus e que a matéria é uma ilusão; a matéria, a doença e a morte não existem para o homem que reconhece que é tão perfeito como o Criador.
Grande foi minha surpresa, como estudiosa de religiões, ao encontrar na Sutra, inúmeros pontos que parecem ser uma tradução da escritura mais antiga e famosa do mundo, o Baghavad Gita, compilado em 3 mil antes de Cristo e que traz ensinamentos sobre os tópicos da Seicho-no-ie e outros bastante avançados que ali são explicados com clareza. Como a relação da alma do homem e das criaturas com Deus, que iria além das religiões e seria transcendental e eterna. Além de temas como cura energética, força do pensamento, ufologia, astronomia, química etc.
Ao analisarmos o que Taniguchi escreveu (ele admite ter estudado religiões antigas, apesar de não citar quais), fica nítida a proximidade da sua mensagem com o Gita, tanto em relação à Sutra quanto à outras publicações que editou.
O principal mandamento da Seicho-no-Ie é a leitura diária da Sutra para que se possa compreender a existência. Isto também está contido no Bhagavad Gita, que aconselha lermos trechos do texto indiano ,diariamente, para o mesmo fim .
Taniguchi afirma que Deus é o todo de tudo, que Ele é Absoluto, que não existe nada que não tenha sido criado por Ele. No Gita é explicado que Deus (Krishna) está em tudo no Universo, pois Ele é a causa que origina todas as coisas estando presente em cada partícula; porém sem que nunca ninguém ou algo O possua por inteiro. O Gita vai além afirmando que Deus está presente físicamente dentro de todos átomos. Ele seria como o Sol e nós (e a natureza completa), Seus raios individuais. “Ao mesmo tempo em que o raio é o Sol, o Sol também é separado e independente de seus raios.”
Na Sutra lemos que “ todas as coisas são a mente de Deus, tudo é palavra de Deus, tudo é Espírito, tudo é Mente, nada há que seja feito de matéria”. No Gita está dito que tudo o que existe é um temporário produto do espírito; que o espírito é o fator básico dos atómos e que a matéria é criada por Ele. Que este mundo material se manifesta devido à energia espiritual, e que o corpo material desenvolve-se porque o espírito está presente na matéria. Taniguchi fala do plano vertical e de outro horizontal, o que lembra o ensinamento do próprio Krishna (segundo os Vedas: a Personificação da Inteligência Suprema) que fala, cinco milênios antes, de uma plataforma material provisória e de uma plataforma transcendental e eterna.
Sobre imortalidade da alma, Taniguchi diz: “A Vida conhece a vida e não conhece a morte. Vida é sinônimo de Realidade. A Realidade não tem princípio nem fim, não se extingue e nem morre”. No Gita já está a mesma questão é várias vezes explicada. A realidade é transcendental e eterna. “Ninguém pode matar a alma.” Ali aprende-se que a alma encarnada passa por vários corpos – indo inclusive numa mesma vida, da infância à juventude e à velhice – porém nunca se extingue pois é imortal. Taniguchi diz: a matéria está na mente, e quando nos deixamos dominar pela matéria surgem os sofrimentos e a ilusão. O Gita ensina: “ Sob o encanto da ilusão, os seres vivos tentam possuir tudo o que está ao seu redor, mas eles são de fato dominados pela energia material de Deus. Deus é o dono da natureza material, e as almas condicionadas estão sob as leis da matéria.” É explicado que uma alma pura vive eternamente por Deus, mas quando entra em contato com a ilusão, se deixa dominar pela matéria executando trabalhos que visam a necessidade de bens materiais. Mas, quanto mais a alma estiver adiantada, mais se libertará das garras da matéria.
Ainda no Gita, está o alerta de que o falso ego, só conquista sua verdadeira posição quando se libera de todas as ideias materiais. Portanto, que o ser vivo é somente uma das múltiplas energias de Deus, e ao se libertar da contaminação material, se liberta da ilusão.
Taniguchi: “ Os sentidos do homem não veem senão o mundo da projeção”. No Gita encontramos que “a consciência apegada ao material, se deixa afetar pelos sentidos. E quanto mais alguém se deixa atrair pelos objetos dos sentidos, mais se enreda na existência material.” E que a alma condicionada tem “sentidos imperfeitos que a fazem cair em ilusão e iludir os outros mesmo inconscientemente”.
E Taniguchi continua: “ dentro” do homem é que está sua natureza verdadeira, que ele define como o “ Reino de Deus”. Segundo ele, o homem que procura o reino no exterior não conseguirá alcançar o objetivo.
Um dos ensinamentos essenciais do Gita, diz que todos os seres vivos tem Deus dentro do coração. No texto indiano está explicado que o homem tem no seu chacra cardíaco um átomo de Deus, a alma, e o próprio Deus em si (a Superalma: maior que o maior, e menor que o menor) ao lado da alma individual, que espera, pacientemente, vida após vida que ela se recorde de sua presença e volte-se para Ele iniciando o processo de eternização.
Esses são alguns exemplos de uma série de coincidências que deixariam nítida a influência do pensamento védico nos ensinamentos de Taniguchi. Sem julgarmos o trabalho desse grande difusor da filosofia indiana podemos, academicamente, afirmar que sua revelação ou sua fonte de pesquisa teve como base fundamental (senão única) o milenar Baghavad Gita.
Pessoalmente, poderia falar do bem que os ensinamentos de Taniguchi provocaram em mim e em meus filhos, mas isto não pretende ser uma crônica, e sim um pequeno ensaio onde sou obrigada a questionar o motivo pelo qual o pai da Seicho-no-ei não revela em seus textos a profunda influência do Gita, pois isso teria sido ainda mais útil a todos seus seguidores. O Gita avança em assuntos de extrema importância para todos nós, seres encarnados neste mundo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>

Scroll To Top